Projeto agrivoltaico: MG avança em 1° concepção do país

Projeto agrivoltaico: MG avança em 1° concepção do país

Projeto agrivoltaico integra programas-piloto no estado mineiro que tem o propósito de avaliar sistema que combina cultivo de alimentos com geração de energia solar

O sistema agrivoltaico combina geração de energia solar com o cultivo de alimentos em áreas rurais. A prática, que já tem estudos avançados em algumas partes dos Estados Unidos, começa a ganhar corpo no Brasil com a parceria entre a Cemig, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD).

Primeiro projeto agrivoltaico

Segundo pesquisadores da Universidade do Estado do Oregon (EUA) estimam que se menos de 1% das terras agrícolas fossem usadas também para geração de energia solar, a produção seria suficiente para atender à demanda global de energia elétrica. Contudo, no caso de Minas Gerais, o projeto agrivoltaico une dois grandes potenciais: a agricultura tem importância expressiva para a economia (sendo o segundo estado brasileiro com mais agricultores familiares) e na questão energética Minas lidera a geração distribuída de energia solar no país.

Além do agrivoltaico, Minas Gerais ainda vai testar a produção de energia em associação com a pecuária. Serão instalados três projetos-piloto nos municípios de Jaíba e Prudente de Morais, que vão permitir análises comparativas. O objetivo é entender quais serão as combinações de modelos de módulos e as melhores culturas para aumentar a produtividade global das atividades.

Chamada pública da Cemig

A implantação é fruto de uma chamada pública da Cemig e faz parte do Programa de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PDI) da Aneel. O investimento total é de cerca de R$10,5 milhões e as pesquisas serão desenvolvidas ao longo de 30 meses.

De acordo com o diretor de Operações Técnicas da Epamig, Trazilbo de Paula, projetos do tipo diversificam o uso do solo, que já é um bem tão escasso quanto necessário para o meio ambiente, explica:

“Produzir alimentos e energia elétrica em um mesmo local é algo realmente inovador. Nesta fase inicial, estamos instalando unidades pilotos em campos experimentais da Epamig para testar culturas variadas em diversos arranjos e, assim, chegarmos a tecnologias adaptadas às condições de clima e solo para serem transferidas aos agricultores das diferentes microrregiões de Minas Gerais.”

Busca de soluções

As experiências pretendem buscar soluções para diversas questões, afirma Carlos Alberto Previdelli, gerente comercial do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações. E disse ainda que além dos desafios técnicos envolvendo áreas multidisciplinares, existe o lado social que envolve tecnologias para facilitar a vida dos pequenos produtores rurais e o desenvolvimento de potenciais fornecedores da indústria nacional.

Sistema customizado

Por fim, Previdelli ressalta que o sistema agrivoltaico será customizado para o estado de Minas Gerais, envolvendo “aspectos técnicos, regulatórios, econômico-financeiros, sob as perspectivas do produtor rural, distribuidora de energia e provedor da solução do sistema integrado”.

*Foto: Reprodução/br.freepik.com/fotos-gratis/equipamentos-de-energia-limpa-em-linha-geram-eletricidade-gerada-por-ia_41571838

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Murillo Vianna retorna à gestora Angra Partners

O executivo, que já operou em casos de reestruturação, chega para fortalecer a área de venture capital da empresa No último mês, segundo informações apuradas...

Vinícola urbana de Florença se destaca por sua liderança feminina

Vinícola urbana de Florença é a primeira neste segmento na região; conheça mais sobre o empreendimento da cidade italiana Uma das cidades mais importantes da...

Renato Conill comenta as principais categorias do automobilismo

O ex-piloto gaúcho comenta as divisões do esporte e sua variedade de experiências para pilotos e fãs Segundo o estatuto da Confederação Brasileira de Automobilismo...