Gestão territorial e ambiental: Pará usa tecnologia inédita

Gestão territorial e ambiental: Pará usa tecnologia inédita

Gestão territorial e ambiental é monitorada por meio de plataforma, que integra cumprimento de metas do Plano Estadual e identifica as prioridades de investimentos

Atualmente, Pará é reconhecido como pioneiro na gestão ambiental no país. Isso porque foi primeiro do Brasil a lançar um plano para incentivar a bioeconomia e um plano para restaurar a floresta amazônica, o Estado, que receberá a COP 30, em 2025, também desponta com destaque nacional pelo uso de tecnologia de ponta no meio ambiente. Um exemplo desse avanço é o Módulo de Inteligência Territorial (MIT), desenvolvido sob a coordenação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).

Gestão territorial e ambiental

Sendo assim, a plataforma digital que integra informações ambientais, fundiárias e de produção, o MIT permite a criação de filtros personalizados e a geração de relatórios parametrizados, fornecendo uma visão sobre a gestão territorial e ambiental, além de socioeconômica do estado. Desse modo, a Semas e outros órgãos governamentais podem planejar e tomar decisões para implementação da política sustentável do estado.

Por sua vez, o desenvolvimento e implantação do MIT é parte integrante da transformação digital da Semas, além de ser um dos objetivos do Plano Estadual Amazônia Agora (PEAA), a estratégia que norteia a política ambiental do Pará.

Orientações sustentáveis

Como uma das funções, a plataforma gera o monitoramento do cumprimento de metas do PEAA e também identifica e orienta as prioridades de investimentos públicos e privados para que as metas de conservação, restauração e produção sustentável, previstas pelo ‘Amazônia Agora’, possam ser cumpridas.

Benefícios

Um dos seus principais benefícios é a capacidade de visualizar, em tempo real, indicadores chave como índice de cobertura florestal, taxa de desmatamento, área de reserva legal, área de preservação permanente, sobreposição de terras públicas e privadas, distribuição de assentamentos rurais, a localização de terras indígenas e unidades de conservação e a produção agropecuária.

De acordo com o titular da Semas, Mauro O’de Almeida, através do MIT o Pará trilha seu caminho de gestão ambiental mais eficiente e sustentável. Ele faz parte de uma variedade de dados ambientais, fundiários e de produção. Porém, também fornece uma plataforma que analisa esses dados de modo eficaz e eficiente. “Ele nos permite identificar e orientar as prioridades de investimentos para nos ajudar a cumprir metas de conservação, restauração e produção sustentável, permitindo alinhamento entre os atores envolvidos na gestão ambiental”, afirma.

Ferramentas

Além disso, a plataforma oferece uma variedade de ferramentas de análise espacial, incluindo mapas temáticos, gráficos, tabelas e filtros. Eles permitem cruzar e comparar diferentes variáveis. Isso possibilita a identificação de padrões, tendências, oportunidades e desafios para a gestão territorial.

Restauração florestal

Contudo, o MIT consegue verificar quais cidades possuem maior potencial para a restauração florestal, bem como quais propriedades rurais estão em conformidade com o Código Florestal, e de quais cadeias produtivas possuem maior valor agregado e menor impacto ambiental. Essas informações são cruciais para o planejamento e a implementação de políticas públicas.

Registro automático de dados

Ainda segundo a Semas, a ferramenta promove o registro automático de dados de diversas fontes estaduais e federais. Além dessas fontes externas, o MIT integra todas as ferramentas desenvolvidas pela secretaria, incluindo a Plataforma Selo Verde e o CAR Automatizado (CAR 2.0), à mesma base de dados. Isso permite o uso compartilhado entre os órgãos do Governo do Estado e garante a padronização de todos os indicadores e resultados disponíveis nos diferentes sistemas.

Tomada de decisões

Por fim, o MIT elabora automaticamente relatórios de monitoramento para tomada de decisão e identifica imóveis elegíveis a um programa estadual ou incentivo privado, como o crédito rural. Além disso, avalia riscos socioambientais e oportunidades de investimentos em territórios e cadeias específicas.

“De um ponto de vista bem pragmático, os diferentes painéis desenvolvidos no MIT têm um potencial imenso de acelerar os resultados esperados por programas estratégicos do Estado do Pará, que poderão ter seus resultados acelerados pelas informações estratégicas geradas pelo MIT, como o Plano Estadual Amazônia Agora, o Plano Estadual de Restauração da Vegetação Nativa, o Programa de Pagamento por Serviços Ambientais e o Programa de Integridade da Pecuária. A identificação de áreas prioritárias para restauração e a identificação de produtores e produtoras elegíveis para programas de incentivos são alguns dos benefícios do programa”, afirma Teresa Moreira, líder em Governança e Políticas Públicas da The Nature Conservancy Brasil (TNC), parceira técnica no desenvolvimento da plataforma.

*Foto: Reprodução/https://www.instagram.com/p/C3iNcaQuwnC/?img_index=2

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Vitamina D rejuvenesce a pele: Entenda se é possível

Vitamina D rejuvenesce a pele, esta é uma pergunta que tem vindo muito à tona em se tratando do universo da beleza; mas o...

Amostras de Marte: NASA reduz gastos com missão

Na segunda-feira (15), a NASA informou como serão os próximos passos da campanha Mars Sample Return, iniciada em 2021. Agora, a campanha vai passar...

Conheça cultivar de uva própria para vinhos espumantes na Serra Gaúcha

Cultivar de uva própria resulta em uma boa produção A produção de vinhos é uma das atividades mais tradicionais na Região Sul do país. Entretanto,...