Fabricação de celulares e notebooks: queda derruba faturamento da indústria

Fabricação de celulares e notebooks: queda derruba faturamento da indústria

Fabricação de celulares e notebooks no Brasil terminou 2023 com faturamento de R$ 204,2 bilhões. Isso significa recuo de 6% – motivado pelo desempenho dos segmentos de telecomunicações (smartphones) e informática (PCs).

Fabricação de celulares e notebooks

Todavia, a fabricação de celulares e notebooks caiu ainda mais, 8%, em relação à pessoa física. Sendo assim, como a utilização da capacidade instalada (de 76% para 72%), o setor de eletrônicos encerra 2023 com 263,3 mil empregados, 4 mil a menos que um ano antes.

Segmentos

Por outro lado, os segmentos que puxaram para baixo o valor do faturamento foram: informática (-17%), telecomunicações (-21%) e componentes (-25%). No caso dos PCs, a venda de notebooks refluiu após as altas fortes durante a pandemia de Covid-19. No caso de telecom (e componentes), a indústria acusa fortemente a venda de smartphones contrabandeados como causa principal.

Por sua vez, as vendas de celulares caíram 14%, ao mesmo tempo em que o mercado irregular de aparelhos passou de 8% (em 2019) para 21% no quarto trimestre deste ano.

Em contrapartida, eles tiveram desempenho positivo no faturamento do setor: as áreas de GTD (5%), equipamentos industriais (4%), utilidades domésticas (6%) e automação industrial (19%).

Mercado externo

Outro destaque positivo foram as exportações do setor, que apresentaram aumento de 7%, totalizando US$ 7,2 bilhões. Neste quesito, alcançaram destaque os crescimentos nas vendas externas de bens de Automação Industrial (+32%), de Material Elétrico de Instalação (+24%) e de bens de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica – GTD (+24%).

Importações

Já as importações recuaram 5%, somando US$ 43,1 bilhões. Os semicondutores (que compreendem diodos, circuitos, memórias etc) foram os itens mais importados, chegando a US$ 5,3 bilhões. Individualmente, o produto mais importado do setor foi o módulo fotovoltaico (US$ 3,9 bilhões), que ficou na quarta posição no total geral das importações do Brasil.

Desse modo, o déficit da balança comercial totalizou US$ 35,9 bilhões, resultado 7% inferior ao apresentado em 2022 (US$ 38,6 bilhões). Vale destacar que a queda no déficit foi mais influenciada pela retração nas importações, em virtude da queda na produção interna, do que pelo aumento das exportações.

Por fim, os investimentos recuaram 6%, totalizando R$ 3,5 bilhões, o que representa 1,72% do faturamento do setor, participação similar à registrada em 2022.

*Foto: Reprodução/https://br.freepik.com/fotos-gratis/homem-moderno-trabalhando-na-loja-de-servicos-eletronicos_5402062.htm#query=fabrica%C3%A7%C3%A3o%20de%20smartphones&position=2&from_view=search&track=ais&uuid=ea14d0ef-085f-43b2-859f-10b9dc98fc92

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Estrelas interrompem formação de planetas, segundo flagra de James Webb

Estrelas brilhantes parecem prejudicar a nebulosa de Órion Novas observações do telescópio James Webb sugerem que algumas estrelas brilhantes parecem prejudicar a formação de planetas...

Vinícola urbana em Pinheiros: Saiba como funciona

Vinícola urbana em Pinheiros funciona também como hub para reunir pessoas e democratizar o consumo do vinho Na esteira do processo de verticalização da cidade,...

Pix no cartão de crédito: Como funciona modalidade recente?

Pix no cartão de crédito é prático; mas tem riscos; possibilidade de pagamento pode levar o consumidor à inadimplência; entenda como Com a crescente popularidade,...