Ciência brasileira está 21% mais relevante desde 1996

Ciência brasileira está 21% mais relevante desde 1996

A ciência brasileira está cada vez mais relevante, quando se analisa o impacto acadêmico da produção científica nacional. Prova disso, é que entre os anos de 1996 e 2022 este impacto cresceu em 21%. É o que afirma o relatório da Agência Bori feito em parceria com a Elsevier.

O poder da ciência brasileira

Durante esses mais de 25 anos, a ciência brasileira publicou um maior número de artigos científicos, de modo quase sempre ascendente, indo de 8,3 mil artigos em 1996 para 74,6 mil em 2022. No entanto, o ano passado foi considerado de queda na produção, já que, em 2021, foram 80,4 mil.

Impacto da pesquisa brasileira

Entre os pontos fortes da ciência nacional analisados no relatório, está a questão do impacto acadêmico. A expressão pode ser entendida como “o número de vezes que um artigo científico é citado em comparação com outros da mesma área de conhecimento em determinado período de tempo”, segundo definição da Bori.

FWCI

Para fazer essa avaliação, foi usado o indicador Field Weighted Citation Impact (FWCI), capaz de medir o impacto dos artigos científicos contabilizando a quantidade de citações ponderadas por área do conhecimento.

Além disso, por meio do indicador, foi possível observar que o FWCI da ciência brasileira saltou de 0,7 em 1996 para 0,85 em 2022. Porém, novamente, algumas oscilações negativas ocorreram ao longo dos anos, mas a tendência é de alta.

Universidades de referência

O relatório também identificou que 15 instituições brasileiras de ensino e pesquisa que tiveram visibilidade científica acima da média mundial entre os anos de 2020 e 2022. Confira quais estão neste grupo, em ordem decrescente:

  • Universidade de São Paulo (USP);
  • Universidade Estadual de Campinas (Unicamp);
  • Universidade Estadual Paulista (Unesp);
  • Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
  • Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);
  • Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
  • Universidade Federal de São Paulo (Unifesp);
  • Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz);
  • Universidade Federal de São Carlos (Ufscar);
  • Universidade Federal do Paraná (UFPR);
  • Universidade Federal de Santa Maria (UFSM);
  • Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa);
  • Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN);
  • Universidade de Brasília (UnB).

Citações mundiais

A entrada na lista significa que os artigos publicados por seus pesquisadores estão entre os 10% mais citados mundialmente naquele triênio. Neste ponto, vale destacar que, em 1996, eram contabilizados 569 artigos de pesquisadores brasileiros no TOP 10%. Em 2022, o número chegou a 5,4 mil.

Para chegar a essas conclusões, o relatório considerou apenas países que, em 2021, publicaram mais de 10 mil artigos científicos. Entre as instituições brasileiras, só foram consideradas as que publicaram mais de mil artigos nesse mesmo ano — apenas 35 passaram por essa pré-seleção.

*Foto: Reprodução/br.freepik.com/fotos-gratis/cientista-de-pesquisa-medica-conduzindo-o-desenvolvimento-de-vacinas-sob-microscopio-digital-em-um-laboratorio-de-ciencias-biologicas-aplicadas_15785335

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Pesquisa revela novos caminhos para combater o câncer

Estudo publicado pela Universidade de Paris fortalece a importância da indução de proteínas de choque térmico na luta contra a doença Levantamento realizado pelo Instituto...

Feira ES Construção Brasil: Casa do futuro pronta em 12 dias

Feira ES Construção Brasil traz novidades do setor; evento termina hoje, no Pavilhão de Carapina, na Serra; entrada é gratuita Termina hoje (19), a primeira...

Primeiros humanos surgiram na África: Entenda como

Pesquisas recentes atestaram que primeiros humanos deixaram continente africano antes do esperado Como já se sabe através de muitos estudos, os primeiros seres humanos surgiram...