Câncer de pâncreas: Vacina avança em testes com humanos

Câncer de pâncreas

Estudo do câncer de pâncreas teve primeira fase concluída para o desenvolvimento do imunizante mRNA (RNA mensageiro) da BioNTech

Cientistas concluíram a primeira fase dos estudos clínicos para o desenvolvimento de uma vacina de mRNA (RNA mensageiro) da BioNTech contra o câncer de pâncreas. Apesar de o caminho até o imunizante final ser longo, os primeiros achados indicam que a equipe está na direção certa. Sendo assim, a aposta é que o tratamento de saúde chegue ao mercado antes de 2030.

Câncer de pâncreas – publicação

Publicada na revista científica Nature, a pesquisa, iniciada em 2019, envolveu 16 voluntários que enfrentavam um tipo bastante avançado de câncer de pâncreas e que já tinham realizado uma cirurgia para remoção do tumor. Desse modo, foi investigada a capacidade do imunizante em evitar a reincidência da doença.

De acordo com o Atlas de Mortalidade por Câncer, e atualizado pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), 11,8 mil brasileiros morreram em decorrência da doença no ano de 2020. Atualmente, ainda faltam tratamentos eficazes para o combate desse tipo de tumor.

Qual é o efeito da vacina contra o câncer de pâncreas?

Liderada pelos pesquisadores e médicos do Memorial Sloan Kettering Cancer Center (MSK), a Fase 1 do estudo com humanos demonstrou que a vacina de mRNA provoca uma resposta imune eficaz e duradoura contra este tipo de câncer.

Em oito (50%) dos 16 pacientes recrutados, a vacina desencadeou a produção de células de defesa, como as células T específicas para o combate do tumor apresentado pelo indivíduo.

Para Vinod Balachandran, do MSK, em comunicado:

“Esses resultados empolgantes indicam que podemos usar vacinas como terapia contra o câncer de pâncreas. As evidências apoiam nossa estratégia de adaptar cada vacina ao tumor do paciente.”

Agora, os pesquisadores ainda não sabem precisar o quão eficaz é a proteção induzida contra o câncer pela vacina e nem por quanto tempo ela manterá a pessoa protegida.

Como funciona a vacina de mRNA da BioNTech?

É preciso destacar aqui que a empresa de biotecnologia BioNTech é a mesma que colaborou com a farmacêutica Pfizer no desenvolvimento científico das vacinas contra a covid-19. Com isso, tanto a fórmula contra o câncer quanto a que age contra o vírus usam a tecnologia do mRNA. Porém, são inúmeras diferenças entre elas.

Por exemplo, a vacina contra o câncer é individualizada, ou seja, é feita especificamente para cada paciente. Após a retirada do câncer, os cientistas sequenciam as proteínas presentes nos tumores pancreáticos, os chamados neoantígenos, e os usam como base para o composto. O imunizante carrega a “fórmula” desses antígenos, por meio do mRNA. No corpo, o material vai ensinar o sistema imunológico a atacar o alvo oncológico, sem comprometer as células saudáveis.

Por fim, neste momento, a equipe de pesquisadores começa a implementar a Fase 2 do estudo clínico, onde um grupo maior de voluntários será recrutado a partir de junho deste ano. Em paralelo, os cientistas planejam ampliar os testes para outros países, verificando como outras populações reagem ao tratamento.

*Foto: Reprodução/Unsplash (National Cancer Institute – https://unsplash.com/pt-br/fotografias/u17jQ_hPWUY)

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Vitamina D rejuvenesce a pele: Entenda se é possível

Vitamina D rejuvenesce a pele, esta é uma pergunta que tem vindo muito à tona em se tratando do universo da beleza; mas o...

Amostras de Marte: NASA reduz gastos com missão

Na segunda-feira (15), a NASA informou como serão os próximos passos da campanha Mars Sample Return, iniciada em 2021. Agora, a campanha vai passar...

Conheça cultivar de uva própria para vinhos espumantes na Serra Gaúcha

Cultivar de uva própria resulta em uma boa produção A produção de vinhos é uma das atividades mais tradicionais na Região Sul do país. Entretanto,...