Templo do faraó Ramsés II: 2 mil cabeças de carneiro são encontradas no local

Templo do faraó Ramsés II

Descoberta no Templo do faraó Ramsés II foi compartilhada pelo Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito no último sábado (25)

Para os egípcios, o sacrifício de animais era uma alternativa comum nos anos 300 para homenagear alguém que partiu. Mas, agora, se essa pessoa fosse um poderoso faraó, como Ramsés II, mais de 2 mil cabeças de carneiro seriam, de fato, uma homenagem justa para eles. Este é o mote de uma descoberta da ciência, que envolve milhares de carneiros mumificados no templo do faraó. Ela foi compartilhada pelo Ministério de Turismo e Antiguidades do Egito no último sábado (25).

Descoberta no templo do faraó Ramsés II

Além disso, parte das escavações no templo do faraó Ramsés II foi feita em parceria com os pesquisadores e arqueólogos da Universidade de York, dos Estados Unidos, na cidade de Abydos, uma das mais antigas do país.

Mas, apesar da homenagem soar um tanto estranha para a nossa sensibilidade atual, o uso de animais em oferendas é bastante disseminado por diferentes culturas. Isso abrange desde pagãos até os cristãos, quando se lê o Antigo Testamento.

Portanto, ao pensar na cultura egípcia da época, as cabeças de carneiro podem ser interpretadas como “uma adoração sem precedentes”, descreve o ministério. Anteriormente, cabeças de crocodilo foram encontradas em outras tumbas.

Como ocorreu a descoberta inusitada sobre as milhares de cabeças de carneiro

Por outro lado, o fato curioso é que a oferenda envolvendo as 2 mil cabeças de carneiros não foi feita pelos egípcios contemporâneos ao faraó Ramsés II, também conhecido como Ramsés, o Grande. Isso porque o terceiro faraó da XIX dinastia egípcia teria vivido entre os anos 1303 e 1213 a.C., mas as oferendas são mais recentes.

De acordo com as análises preliminares dos achados, os carneiros mumificados datam a era ptolomaica que foi do ano 30 a.C. até os anos 305 d.C. Ou seja, as oferendas são muito posteriores ao reinado. Para ser mais preciso, foram feitas aproximadamente mil anos após a morte do faraó. Sendo assim, isso indica que o seu culto permaneceu forte entre as gerações posteriores.

Escavações na tumba do faraó Ramsés II

Por fim, além dos carneiros, os arqueólogos encontraram outras espécies de animais mumificados, como cães, cabras, ovelhas, vacas, veados e mangustos — um mamífero carnívoro que é parente dos suricatas. Os pesquisadores também descobriram uma nova parte do templo, localizada ao norte. Agora, as escavações seguem em busca de novos achados arqueológicos.

*Foto: Reprodução/Unsplash (AXP Photography)

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Murillo Vianna retorna à gestora Angra Partners

O executivo, que já operou em casos de reestruturação, chega para fortalecer a área de venture capital da empresa No último mês, segundo informações apuradas...

Vinícola urbana de Florença se destaca por sua liderança feminina

Vinícola urbana de Florença é a primeira neste segmento na região; conheça mais sobre o empreendimento da cidade italiana Uma das cidades mais importantes da...

Renato Conill comenta as principais categorias do automobilismo

O ex-piloto gaúcho comenta as divisões do esporte e sua variedade de experiências para pilotos e fãs Segundo o estatuto da Confederação Brasileira de Automobilismo...