Soltar pipa durante o eclipse solar híbrido: Por que cientistas farão isso?

Soltar pipa durante o eclipse solar híbrido

Soltar pipa durante o eclipse solar híbrido que ocorreu de quarta (19) para quinta-feira (20) possibilitou um jeito diferente de observação; confira

O eclipse solar que ocorreu de quarta (19) para quinta-feira (20) foi observado de um jeito diferente por uma equipe de cientistas na Austrália. No caso, a astrônoma Shadia Habbal e seus colegas queriam estudar a coroa solar durante o fenômeno e, para evitar que nuvens “intrusas” passassem em frente ao Sol e esconder nosso astro, eles usaram um instrumento de ciência instalado em uma pipa.

Soltar pipa durante o eclipse solar híbrido

Vale lembrar que durante os eclipses solares, a Lua passa em frente ao Sol e oculta seu disco total ou parcialmente. E no caso dos eclipses solares totais, a ocultação permite observar a coroa solar, que é exatamente o que eles querem estudar. Sendo assim, o uso da pipa ajuda a evitar que nuvens no céu escondam o fenômeno e prejudiquem as observações. Habbal e seus colegas já passaram por estas situações após longas viagens para acompanhar eclipses e, agora, ao soltar pipa durante o eclipse solar pode ser que eles tenham conseguido driblar as nuvens.

Por do equipamento na pipa, eles levaram um espectrômetro a 1 km de altitude na Austrália, um dos lugares onde o eclipse solar híbrido será visível. Ele ficou preso a uma pipa em formato de caixa e com estruturas com 6,5 m de extensão, que serviram como asas. E como possuem tamanho pequeno no céu, a pipa e o espectrômetro não atrapalharam quem estivesse em solo acompanhando o eclipse.

Apoio da NASA

Desenvolvido com o apoio da NASA, o espectrômetro é um instrumento capaz de separar a luz nos comprimentos de onda presentes nela, e pode ajudar Habbal e seus colegas a entenderem como as partículas eletricamente carregadas do Sol deixam nosso astro por meio da coroa solar.

Ao investigar este processo, a equipe pode compreender melhor os mecanismos por trás do vento solar. Além disso, eles também esperam aprender mais sobre as origens de algumas formações da coroa solar interna, como as proeminências solares e ejeções de massa coronal, que expelem material solar ao espaço.

Outras observações

Através do experimento, eles esperam descobrir se outras observações do tipo podem dar certo para eclipses futuros — e, se tiver sucesso, Habbal planeja soltar uma pipa ainda mais alto para um eclipse solar que ocorrerá em 2024.

Por fim, segundo Madhulika Guhathakurta, cientista da NASA:

“Ainda não usamos uma pipa para heliofísica, mas no futuro, podemos usar esta plataforma para vários tipos diferentes de investigações.”

*Foto: Reprodução/Klemens Brumann and Benedict Justen

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Murillo Vianna retorna à gestora Angra Partners

O executivo, que já operou em casos de reestruturação, chega para fortalecer a área de venture capital da empresa No último mês, segundo informações apuradas...

Vinícola urbana de Florença se destaca por sua liderança feminina

Vinícola urbana de Florença é a primeira neste segmento na região; conheça mais sobre o empreendimento da cidade italiana Uma das cidades mais importantes da...

Renato Conill comenta as principais categorias do automobilismo

O ex-piloto gaúcho comenta as divisões do esporte e sua variedade de experiências para pilotos e fãs Segundo o estatuto da Confederação Brasileira de Automobilismo...