Programa StartUp Pará: governo incentiva empreendedorismo e inovação

Programa StartUp Pará

Programa StartUp Pará contemplou 20 startups que receberão apoio do governo estadual

O empreendedorismo tecnológico está cada vez mais em evidência, apresentando inovação e tendências futuras. Com isso, governos estaduais passam a incentivar o setor. É o caso do Programa StartUp Pará.

Programa StartUp Pará

A iniciativa foi lançada recentemente com o objetivo de estabelecer a estratégia estadual para o empreendedorismo de base tecnológica, apoio e criação de ambientes para projetos inovadores. O Programa StartUp Pará é uma criação da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (SECTET), em parceria com a Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (FAPESPA) e a Secretaria de Estado de Planejamento e Administração (SEPLAD), com apoio técnico da Fundação Guamá.

Dados de 2020

Até agosto deste ano, segundo dados do Registro Mercantil da Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa), o Estado contabilizou mais de 8.073 novas empresas, uma alta de 15,56% em relação ao mesmo período de 2020.

Segundo Marcel Botelho, titular da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), já no começo da gestão estadual de Helder barbalho, houve um importante apoio à inovação e ao empreendedorismo como fio condutor para o desenvolvimento do Pará. Além disso, o programa visa incentivar a criação e consolidação de negócios de base tecnológica e sustentáveis na região. O resultado gera “produtos e serviços com maior valor agregado e potencial para a geração de emprego e renda”, afirma.

Startups participantes

As startups participantes passaram por três fases: enquadramento, seleção e execução do programa. Em seguida, 80% das propostas foram enquadradas e passaram para a próxima etapa. Nesta última, restaram apenas 27 empresas, que passaram por nova avaliação.

Após meses de mentoria, palestras e workshops, 20 startups chegaram à final, sendo dez em cada modalidade. Todas elas receberão o apoio financeiro de até R$ 80 mil para novos negócios (ideação) e até R$ 200 mil para aceleração (empresas).

Contudo, ainda há um investimento financeiro, exclusivamente estadual, de R$ 2,8 milhões para que os empreendedores desenvolvam mais suas iniciativas já existentes ou transformem suas ideias em negócios de sucesso.

Publicação no Diário Oficial

O resultado preliminar foi publicado no dia 4 de outubro no Diário Oficial de nº 34.722.

Na modalidade Novos Negócios, foram classificados: Biomimética, de Jonas Cunha da Silva; Agro Katu, de Wilson Antônio Ferreira Costa; Mahá Biocosméticos, de Gabriela Bianchi dos Santos; Memory Life, de Kátia Maki Omura; Neuroprotect, de Walace Gomes Leal; Ver-o-Fruto, de Ingrid Monique Oliveira Telles; Unaí, de Washington Ferreira Nascimento Filho; Estação Inteligente de Monitoramento de Poluição, de Oscar Bruno Maciel de Abreu; iAmazon, de Mauro Antônio Cavaleiro de Macedo Rodrigues; e Radar Naval, de Gilberto Luís Sousa da Silva.

Já as 10 propostas na modalidade Aceleração foram: Otimize Seus Negócios, de Vitor Pinheiro Alves; Focatec Soluções e Desenvolvimento, de Elimar Pinheiro Xavier; Inteceleri Labs Tecnologia, de Walter dos Santos Oliveira Júnior; Medbolso Software de Ernani de Oliveira Sales; Jambulabs Software, de Marcelo Rocha de Sá; Navtech Solutions, de Rhuan Fracalossi Melo; Bioactive Inovações e Pesquisas, de Maria Cristina Andrade Saiani; Notifica Direto, de Willys do Socorro Almeida de Campos; BRFlor Consultoria em Sistemas de Informação, de Sabrina Brasil Freitas; e Amazon Tech, de Elionai Gomes de Almeida Sobrinho.

Criação do Programa StartUp Pará

O Programa StartUp Pará foi criado em 2019 com a proposta de apoiar projetos, ainda em fase de ideação. Mas todos voltados à criação em implementação de soluções, métodos e processos de base tecnológica. E que explorem a inovação e a cultura empreendedora como instrumento estratégico a fim de contribuir com o desenvolvimento sustentável do Estado. Surgindo assim novas empresas inovadoras que podem promover a geração de negócios com maior valor agregado, gerando renda, empregos com melhores salários.

O programa contou com duas modalidades: Novos Negócios e Aceleração. As startups participantes tinham que atuar em pelo menos umas das seguintes áreas temáticas:

Educação; energia; mineração; saúde e qualidade de vida do cidadão; govtech (Inovação na Administração Pública); agrotech, com destaque para agroindústria e piscicultura; biotecnologia; tecnologia da informação e comunicação; inteligência artificial e logística.

*Foto: Divulgação

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

ANS participa de iniciativa sobre IA

ANS participa de projeto que desenvolverá soluções digitais para melhoria da qualidade e do custo de serviços públicos A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)...

Healthtech Laura e a transformação digital

Healthtech Laura se alinha a era da transformação, trazendo benefícios para a sociedade e comunidade médica, ao fornecer insumos valiosos para tomada de decisão...

Helicópteros espaciais em Marte: Nasa comenta o envio

Helicópteros espaciais em Marte, segundo afirmação da Agência Espacial Norte Americana, aeronaves são inspiradas no modelo Ingenuity e serão enviadas para a superfície do...