Internet 4G e 5G: Como estão chegando às regiões agrícolas remotas

Internet 4G e 5G: Como estão chegando às regiões agrícolas remotas

Internet 4G e 5G tem ritmo de ampliação pelo Brasil, mas precisa ser maior ainda este alcance

Situada a 290 quilômetros de São Paulo, a cidade de Caconde é um dos maiores polos de plantio de café no país, localizada na Serra da Mantiqueira. Além disso, a região conta com uma topografia ideal para desenvolvimento dos arbustos frutíferos, que crescem melhor em altitudes elevadas.

Apesar de uma localidade ideal para o plantio, até bem pouco tempo atrás, o município não contava com uma boa rede de internet para ajudar seus produtores, que ficavam isolados em comparação ao restante do país.

Apenas em 2018, que esta realidade mudou com a chegada das primeiras antenas à cidade. E em 2020 veio o chacoalhão da pandemia, forçando a região a se modernizar, com a instalação de mais torres.

Projeto Semear Digital

A iniciativa deu certo e hoje, Caconde integra o projeto Semear Digital, criado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com o intuito de levar a internet 4G e 5G onde não tem, melhorando assim a conectividade em áreas rurais. O programa também resultou na implementação das redes de internet em larga escala, promovendo a expansão do agronegócio, e estimular o uso de novas tecnologias.

Índices rurais de conectividade

Todavia, o agro enfrenta ainda a urgência em elevar os índices rurais de conectividade. Segundo o indicador de conectividade rural (ICR), lançado pela associação ConectarAGRO, somente 19% da área rural brasileira possui cobertura de internet 4G ou 5G. Entretanto, a pesquisa não contabiliza conexões 2G e 3G por considerá-las tecnologias em declínio e com capacidade de tráfego de dados muito limitada. O indicador ainda revela que a maioria das fazendas com acesso a internet está no Sul e no Sudeste do país.

Sendo assim, é a conectividade que permite o uso de tecnologias inovadoras, como drones que mapeiam lavouras, robôs pulverizadores, equipamentos portáteis de análise do clima ou tratores autônomos controlados por inteligência artificial, entre muitas outras. Sem isso, os dispositivos não se comunicam entre si e ficam impossibilitados de compartilhar dados ou até mesmo de operar, gerando uma barreira que reduz os índices de produtividade das áreas agrícolas.

Novas estruturas econômicas

Por outro lado, as operadoras de telefonia têm apostado em novas estruturas econômicas. Por exemplo, a Tim, uma das apoiadoras da ConectarAGRO, atua em parceria com grandes produtores rurais, que pagam pela instalação das antenas em suas propriedades. Em terras de 20.000 a 30.000 hectares, que são os focos do projeto, a instalação de estruturas de rede 4G custa em torno de R$ 500 mil e leva de três a cinco anos para ser concluída.

Por sua vez, a Vivo, também integrante da ConectarAGRO, afirma ter investido R$ 9 bilhões em 2023 para ampliar sua cobertura, mercado que avalia ter enorme potencial de crescimento.

Outro fator que chama atenção é que entre as cidades brasileiras, a penetração da tecnologia ainda é limitada. Um estudo do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia (Conexis) revela que apenas 7,16% dos municípios atualizaram suas leis de antenas locais para adotar o 5G. Isso porque, o 4G tem se mostrado suficiente para as operações do agro.

Redes não terrestres

Por fim, outra solução em alta são as redes não terrestres (NTN, na sigla em inglês), baseadas em sistemas de comunicação via satélite. Entre as mais reconhecidas no mercado, está a Starlink, subsidiária da empresa americana de foguetes SpaceX. Mas, no Brasil, seu equipamento custa R$ 2 mil, com mensalidade de R$ 184. Nesse caso, o custo atrativo tem o objetivo de levar internet até regiões mais afastadas e sem nenhuma infraestrutura.

Sobre isso, a ConectarAgro mora em levar redes 4G a estas propriedades afastadas. Isso é ótimo para os produtores, mas melhor ainda para o País.

*Foto: Reprodução/https://br.freepik.com/fotos-gratis/vista-lateral-mulher-usando-tableta_29803331.htm#fromView=search&page=1&position=5&uuid=12913129-e2ac-4247-91bb-4a21b7d28873

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Murillo Vianna retorna à gestora Angra Partners

O executivo, que já operou em casos de reestruturação, chega para fortalecer a área de venture capital da empresa No último mês, segundo informações apuradas...

Vinícola urbana de Florença se destaca por sua liderança feminina

Vinícola urbana de Florença é a primeira neste segmento na região; conheça mais sobre o empreendimento da cidade italiana Uma das cidades mais importantes da...

Renato Conill comenta as principais categorias do automobilismo

O ex-piloto gaúcho comenta as divisões do esporte e sua variedade de experiências para pilotos e fãs Segundo o estatuto da Confederação Brasileira de Automobilismo...