Retorno de um câncer pode ser previsto por IA

Retorno de um câncer

Agora, por conta de uma ferramenta de inteligência artificial (IA), médicos e pesquisadores são capazes de detectar e prever o retorno de um câncer. O método foi desenvolvido por meio de um estudo inédito do Royal Marsden NHS Foundation Trust, do Instituto de Pesquisa sobre o Câncer, de Londres, e do Imperial College London. Ele foi publicado na revista eBioMedicine, da The Lancet.

Previsão de retorno de um câncer

Além disso, a inteligência artificial também possibilita que o retorno de um câncer seja detectado mais cedo em pacientes considerados de alto risco.

Desse modo, é possível garantir que eles recebam tratamento com mais urgência. Por outro lado, nos casos de baixo risco, é possível reduzir a ocorrência e a frequência de idas ao hospital para exames de acompanhamento desnecessários.

Mais eficiente que os métodos tradicionais

A pesquisa revelou ainda um modelo de aprendizado de máquina para determinar se seria possível identificar quais pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas (NSCLC) tratados com radioterapia tinham risco de recorrência.

Os pesquisadores utilizaram dados clínicos de 657 pacientes com NSCLC tratados em cinco hospitais do Reino Unido. Mas, adicionaram vários outros fatores prognósticos, como idade, sexo, índice de massa corporal (IMC), tabagismo, intensidade da radioterapia e características do tumor.

Pacientes de baixo e alto risco

Na sequência, os pesquisadores utilizaram a IA para:

  • categorizar os pacientes em baixo e alto risco de recorrência;
  • quanto tempo pode levar até a recorrência;
  • e sobrevida geral dois anos após o tratamento.

Além disso, a ferramenta foi considerada mais eficiente na previsão de resultados do que os métodos tradicionais.

Menos ansiedade

De acordo com Richard Lee, médico especializado em medicina respiratória e diagnóstico precoce no Royal Marsden NHS Foundation Trust:

“Este é um passo importante para usarmos a IA para entender quais pacientes estão em maior risco de recorrência. E também para detectar essa recaída mais cedo, para que o novo tratamento possa ser mais eficaz.”

Medo de recaída

Por sua vez, Lee, que também é investigador-chefe do estudo, explica que a solução é bastante útil, pois o medo dos pacientes de terem uma recaída gera muita ansiedade.

“Esperamos ultrapassar os limites para melhorar o atendimento de pacientes com câncer, ajudá-los a viver mais e reduzir o impacto que a doença tem em suas vidas.”

Por fim, o estudo é “um primeiro passo empolgante” rumo ao lançamento de uma ferramenta nacional e internacional para orientar a vigilância pós-tratamento de pacientes com câncer, afirmou Sumeet Hindocha, oncologista do Royal Marsden e do Imperial College London.

*Foto: Freepik

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Inovação no meio ambiente ocorre graças à investimento na ciência

Inovação no meio ambiente ocorre ainda por meio de parcerias estratégicas em conformidade ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 17 O mês de junho sempre é...

IA nos tribunais: Justiça aumenta o uso

IA nos tribunais aumenta segundo informações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Recentemente, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concluiu que houve aumento no número...

Organização Social Pró-Saúde completa 55 anos

Organização Social Pró-Saúde é especialista em fornecer inteligência de gestão, com mais de 145 unidades saúde, nas cinco regiões do Brasil No dia 9 de...