Iniciativa Cidades do Futuro pretende transformar SP em 10 anos

Cidades do Futuro

Cidades do Futuro, por meio da Aya Earth Partners planeja tornar as grandes metrópoles em espaços inclusivos, sustentáveis e tecnológicos

As Cidades do Futuro, iniciativa do Aya Earth Partners, hub global com foco em ações e soluções que aceleram a transição net zero, impulsionam a economia nature-positive, além de fomentar a justiça climática, realizou, na última sexta-feira (30), um evento na Cidade Matarazzo. O evento reuniu executivos e líderes de empresas mundiais para discutir propostas que serão capazes de transformar em até 10 anos grandes metrópoles como São Paulo em cidades inclusivas.

Cidades do Futuro – na prática

O objetivo do projeto Cidades do Futuro é que os grandes centros urbanos funcionem com a ajuda da tecnologia, promovendo assim a sustentabilidade e a adesão da natureza em espaços tomados por prédios.

Além disso, representantes das Nações Unidas e empresas que fazem parte do World Bank Group estão reunindo esforços para apoiar e capacitar as cidades que estão na lista para se tornarem cidades do futuro. Segundo a cofundadora da Aya Earth Partners, Patricia Ellen, além da participação de grandes empresas de diferentes segmentos é necessário ter uma movimentação de governadores e prefeitos para incluir essa agenda sustentável nos municípios, impulsionando este mercado.

Decisões e políticas públicas

Patrícia também salienta que a inclusão da tecnologia é essencial para colocar os cidadãos no centro das decisões e da priorização de políticas públicas. Com isso, é possível possibilitar que muitos processos burocráticos não tenham a necessidade de deslocamento e possam atender as áreas da saúde, infraestrutura e segurança. Por fim, ela ainda pontuou:

“Nós temos uma grande oportunidade de alavancar a tecnologia para que possamos ter cidades mais verdes, mais sustentáveis e mais humanas […] a meta é melhorar a qualidade e o acesso de serviços em casa, fazendo com que as pessoas passem a se deslocar por outros motivos que não sejam exclusivamente resolver problemas.”

Espaços verdes e integrados para o futuro

Por outro lado, de acordo com o Leonardo Bichara Rocha, economista agrícola sênior do The World Bank, a população deseja ter espaços mais verdes nas cidades e que eles sejam também espaços integrados.

“Através desse desejo é necessário que as empresas utilizem o conceito proposto para as cidades do futuro envolvendo a tecnologia, não somente com técnicas diferentes, mas que sejam técnicas com custos mais acessíveis para a população.”

*Foto: Reprodução

Outras postagens

Postagens relacionadas

Últimas postagens

Murillo Vianna retorna à gestora Angra Partners

O executivo, que já operou em casos de reestruturação, chega para fortalecer a área de venture capital da empresa No último mês, segundo informações apuradas...

Vinícola urbana de Florença se destaca por sua liderança feminina

Vinícola urbana de Florença é a primeira neste segmento na região; conheça mais sobre o empreendimento da cidade italiana Uma das cidades mais importantes da...

Renato Conill comenta as principais categorias do automobilismo

O ex-piloto gaúcho comenta as divisões do esporte e sua variedade de experiências para pilotos e fãs Segundo o estatuto da Confederação Brasileira de Automobilismo...